Ele revelou índice em entrevista coletiva durante visita à sede do Inpe em São José dos Campos (SP). Ministro Marcos Pontes estima que Inpe terá corte de 15% no orçamento em 2021
Eduardo Marcondes/ TV Vanguarda
O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, disse durante uma entrevista coletiva no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) nesta segunda-feira (30) que estima um corte de cerca de 15% no orçamento do instituto para 2021.
“Provavelmente ano que vem, nós teremos sim uma redução de orçamento, não vou conseguir proteger o orçamento da maneira como está. Não vou conseguir proteger esse orçamento completo. Provavelmente em torno de 15% é o que a gente está estimando, lembrando que ainda não temos os números completos”, disse.
Durante a coletiva ele esteve acompanhado do vice-presidente, Hamilton Mourão, e do diretor do Inpe, Clezio De Nardin. Ele justificou a previsão de queda no orçamento dentro do contexto de “aperto fiscal”.
Vice-presidente Hamilton Mourão visita o Inpe
“Para o ano que vem a expectativa não é boa. Por razões óbvias, todo mundo tem acompanhado o aperto fiscal que nós temos, essas restrições todas, não é só o Ministério de Ciências e Tecnologia, todos os ministérios passam ou vão passar pelo mesmo aperto ano que vem”, disse o ministro.
Nesta segunda-feira (30) o ministro e o vice-presidente visitaram o Inpe, que divulgou que a área desmatada na Amazônia foi de 11.088 km² entre agosto de 2019 e julho de 2020.
De acordo com o Inpe, trata-se de um aumento de 9,5% em relação ao período anterior (agosto de 2018 a julho de 2019), que registrou 10.129 km² de área desmatada.
É a maior área desde 2008, quando o Prodes apontou 12.911 km² desmatados. O Pará concentra quase metade do desmatamento na atual temporada.
Orçamento
Diante do quadro de previsão de encolhimento do orçamento que já vinha sendo desenhado durante o ano, o Inpe começou a prever algumas mudanças. O diretor Clézio de Nardin pretende substituir o supercomputador usado nos cálculos da previsão do tempo por duas máquinas de menor porte. A solução sugerida pelo diretor do Inpe é pela falta de orçamento. Clezio no entanto alega que seria possível que, ainda que sendo máquinas de menor potencial, elas atendessem à demanda do instituto.
Além disso, em agosto planilhas revelaram que o governo estudava um corte de 48,5% no repasse de recursos destinados ao instituto em 2021. Pesquisadores afirmam que o corte implicaria em zerar verba para novas pesquisas.
O que diz o Inpe
O Inpe informou que vai tentar compensar esta redução com outras parcerias.
Veja mais notícias do Vale do Paraíba e região bragantina